quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Natal de restos

Parte das famílias angolanas vive de restos. À custa do Natal e do espírito natalício, exclusivo prisioneiro desta quadra e aparentemente intranferível para outra época do ano ou da vida, há muita xaropada moral que se vai vertendo nesta época. Não irei cair nessa armadilha a propósito desta notícia. Desde logo, por não ser propriamente uma novidade para quem se habituou a vê-la cirandar por aqui. Mas não deixa de causar arrepios a permissividade que o surpreendente indicador «nível médio de pobreza» antecipa. Tal como o facto de se conseguir medi-lo. Haverá, mesmo, realidades bem mais fortes que qualquer ficção.


Desejo, a todos os que aqui costumam ler-me, um Feliz Natal.

4 comentários:

Anónimo disse...

Que o seu Natal, embora longe, seja igualmente feliz.

Leonor

Roberto Ivens disse...

Leonor,

Obrigado. Desejo-lhe, também, um Natal feliz.

anfitrite disse...

Festas Felizes também para si.
Eu já não acredito em natais.

Como sempre me foi permitido dizer o que penso, não percebo porque tem activada a moderação dos comentários. Pensei que era o Regime que não o deixava. Mas acabando você por ser tão crítico, porque não dá a palavra aos imbecis? Não se amofine porque ao morcão também o critiquei. E, felizmente para outros anfitriões, onde há moderação não comento.

Roberto Ivens disse...

Anfitrite,

Desejo-lhe também Festas Felizes. Com ou sem natais. Quanto aos comments, exceptuando um imbecil mesmo-mesmo-mesmo-imbecil, nunca tive de filtrar nada no blogue. Esteja, então, à vontade para os seus comments, sabendo que a minha tolerância acaba nos imbecis-ao-cubo. E fica, também, desde já prometido que se o Zedú mandar algum comentário eu publico!